Fazenda Santa Mônica - Valença RJ

Localizado no distrito de Barão de Juparanã, o Solar da Santa Mônica, em formato de “U”, é grandioso e possui dois andares, não foi construído encostado em barranco como tantos outros e sua posição é solta no meio do pátio. Ainda mantém as linhas originais e obedece ao estilo mais representativo dos casarões do café, com correr de janelas em toda a volta do segundo andar e portas no primeiro. Possui mais de 80 cômodos, 105 janelas, 144 portas e seis escadas internas, tudo suportado por paredes externas com 1 metro de espessura no primeiro piso. Santa Mônica, foi a maior fazenda do Marquês de Baependi e uma das mais importantes da região, fundada na segunda década do século XIX, e seu nome foi uma homenagem à Marquesa de Baependi, Francisca Mônica Carneiro da Costa Nogueira da Gama. Com o falecimento do marido as fazendas passaram à Marquesa. Com a morte dela e, em 1876, do Barão de Juparanã (viúvo e sem filhos), seu herdeiro único foi seu irmão o Barão de Santa Mônica que entre outros bens, recebeu a Fazenda Santa Mônica. O Barão era casado com a prima, Dona Luíza Loreto Vianna de Lima e Silva, filha do Duque de Caxias. Nesta ocasião, o Duque de Caxias mudou-se para a Fazenda, a fim de exilar-se e tratar da saúde. Muito idoso, faleceu no dia 7 de maio de 1880, assistido pela querida filha. Logo após a morte do sogro, Francisco Nicolau atravessou grandes dificuldades com a derrocada do café. Sem alternativa, hipotecou, em 24 de novembro de 1884, a Fazenda e mais o Palacete do Duque de Caxias, na Tijuca, ao cunhado o Visconde de Ururaí. Após a morte do Barão de Santa Mônica, em 1885, os credores executam a hipoteca e a fazenda é transferida ao Banco do Brasil. Em 1912, é adquirida pelo Governo Federal, através do Ministério da Agricultura, em cuja posse mantém-se até os dias atuais.

17 comentários:

Martin Winter disse...

Que bela fazenda, hein? Nunca tinha ouvido falar dela. Parabéns!
A propósito, estou de volta à rede: valehistorico.blogspot.com
Também tenho outras novidades; depois te conto.
Abraços,
Martin

Anônimo disse...

Linda me lembro crian;a ainda passeando pelo casar'ao. ,Saudades ????

Anônimo disse...

duartelaercio@ig.com meu marido , me Tania , a qual participo com todos e de minha imensa familia a qual agrade;o.

Contratador disse...

Local também onde O Duque de caxias viveu seus ultimos dias.

Cleverson Ferreira disse...

Local lindo que infelizmente esta esquecido por tds governo e sociedaade. Tive uma infancia otima ali,tinhamos varias familias na fazenda. Hoje nao passa de duas ou tres,por culpa da embrapa tda uma Historia esta se acabando.

Cleverson Ferreira disse...

Cleverson e meu filho
Meu nome e Edmilson

Cleverson Ferreira disse...

Cleverson e meu filho
Meu nome e Edmilson

Cleverson Ferreira disse...

Local lindo que infelizmente esta esquecido por tds governo e sociedaade. Tive uma infancia otima ali,tinhamos varias familias na fazenda. Hoje nao passa de duas ou tres,por culpa da embrapa tda uma Historia esta se acabando.

edilsonmaua@outlook.com disse...

oi boa noite.
quanto custaria uma fazenda como esta no rio de janeiro se fosse no caso de vender futuramente .
obrigado . edilson Lopes .
mauraedilson@outlook.com

Eu mesmo disse...

O meu avô foi administrador e morou com a família, na fazenda Santa Monica, e a minha mãe nasceu (1927) no mesmo quarto onde faleceu o duque de Caxias.

ROBSON GUEDES FARIA disse...

Passei Grande parte da minha infância em Juparanã..agora sempre que possível estou por lá revendo parentes e amigos..

Joao Victor Coelho disse...

Uma das mais belas fazendo do vale do café.Sou morador de Barão de Juparanã, cada vez que vou a esta fazenda como semana passada fico encantado, porém triste por ver uma beleza dessa lá fechada.Uma fazenda o qual possui um cenário lindo a toda volta, só quem conhece que sabe, ótimo cenário para novelas de época, pena não ser aproveitada para o Mesmo...

Carol Aparecida disse...

Visitei a fazenda hoje com a minha escola, foi uma visita da embrapa mas me interessei muito pela história do casarão. Ele tem muito potencial para se tornar um museu, mas em vista das condições que o governo deixa nossos museus hoje em dia (vide o museu nacional que pegou fogo por pira negligência) é melhor que fique nas mãos da embrapa que está fazendo bom proveito e tem recursos pra manter o local do que virar um museu e ser largado de mão .

Mayara Maia disse...

Alguem sabe o telefonr?

Lucia Chibante disse...

Estive na fazenda na segunda _ feira de carnaval , entrei no pátio da fazenda na tinha ninguém na fazenda , eu e meu esposo ficamos com medo porque era tudo deserto , tiramos 2 fotos e saímos rápido do local

Lucia Chibante disse...

Estive na fazenda na segunda _ feira de carnaval , entrei no pátio da fazenda na tinha ninguém na fazenda , eu e meu esposo ficamos com medo porque era tudo deserto , tiramos 2 fotos e saímos rápido do local

Andréa de Paula Augusto disse...

Andréa de Paula Augusto14 de abril de 2019 18:01
Fomos visitar a fazenda por ela fazer parte do complexo turístico da região.
Ao chegarmos lá vimos funcionários da EMBRAPA e perguntamos como seria possível visitar por dentro a casa da fazenda.
Orientaram que procurassemos o responsável Sr Fabiano.
Fomos até a casa próxima dali onde reside o Sr Fabiano.
Tudo lá é propriedade da EMBRAPA.
Inclusive onde reside o Sr Fabiano.
Funcionário publico que recebe o meu dinheiro e o seu.
Fomos ESCURRAÇADOS eu e meu marido.
Explicamos que estávamos visitando as fazendas da região e se era possível visitar a fazenda.
Ele muito contrariado, enfurecido ameaçando soltar o cachorro que estava preso no canil.
Apenas chamamos esse senhor em sua residência porque as pessoas que trabalham com ele assim nos orientaram.
Somos turistas numa região turística.
O Sr Fabiano funcionário da EMBRAPA foi decortez, intransigente.
Fomos educados explicamos quem éramos e apenas perguntamos se era possível a visita.
O que veio depois foi uma enxurrada de impropérios lamentável vindo de um funcionário público.
Lamentamos o ocorrido e avisamos a nossa anfitriã onde estávamos hospedados para não indicar a visita a essa propriedade.