Fazenda de São Joaquim da Grama - Rio Claro RJ

Erguida sobre muralhas, rodeada de jardins e pomares; imensa e majestosa. A Fazenda de São Joaquim da Grama serviu como sede de administração do império de Joaquim José de Souza Breves, o Rei do Café. Foi uma notável propriedade, centro de intensa atividade, onde se reuniam as mais distintas famílias do Rio de Janeiro. Os banquetes eram requintados; mesa coberta com toalha de linho belga adamascada, centro com flores cultivadas e silvestres, louça inglesa, talheres de prata lavrada portuguesa com as iniciais JSB e copos do mais fino cristal. Falava-se francês. O cardápio atendia ao mais exigente gourmet; vinhos franceses e portugueses, servidos ao som de uma orquestra de escravos. Depois do café, conhaque e charutos. Os costumes e a educação ali eram palacianos. Os 37 quartos, 8 salões, varandas e dependências, podiam acomodar mais de 200 pessoas. O Comendador Breves morreu em 1889 e desde então o solar preferido da família vem sofrendo com o abandono. De 1952 à 1964, a fazenda foi um dos pontos de encontro da elite política carioca, devido à um Hotel Cassino que funcionou no local. Da magnífica construção primitiva, hoje só restam as muralhas e uma única ala à direita, o restante ruiu com o tempo.
Localiza-se no Distrito de Passa Três - RJ

Um comentário:

Bananal, my history, my city, my life. disse...

Nikson,
Eu e os alunos do projeto em Bananal gostaríamos de contar com sua presença na vinda do IPHR neste sábado em Bananal. A professora Ludmila fez contato na quarta e organizamos tudo com os alunos. Será no audotório da Escola Nogueira Cobra às 13 horas. Esperamos por você.