Pedra Selada - Visconde de Mauá RJ


A Pedra Selada possui 1.755 metros de altitude e está localizada entre Visconde de Mauá e a região da Fumaça. O seu nome deriva do seu formato semelhante a uma sela de montaria. O acesso começa na fazenda do Sr. Alcebíades, situada 12 km após o Lote 10, Visconde de Mauá, na direção de quem vai para o povoado do Rio Preto. A subida da Pedra Selada apesar de curta (2,8 kms) é bem exigente. Em vários pontos tem uma inclinação bem acentuada, mas todo percurso é feito por trilha. Necessário o minimo de preparo físico.

Igreja de Nossa Senhora do Carmo - São João Del Rei MG


A primeira capela foi iniciada em janeiro de 1733. Seu frontispício construído em 1787. Suas torres são em formato octogonais. Erguida na fase áurea do rococó, a Igreja de Nossa Senhora do Carmo traz inovações do estilo: a portada ricamente elaborada por elementos escultóricos e as torres octogonais ligeiramente recuadas do plano da fachada. O interior apresenta obra de talha de magnífica execução, mas sem o douramento comum às igrejas coloniais mineiras. No consistório há um conjunto de mesa com oito pés e cadeiras de alto espaldar em jacarandá, típico do período setecentista, atribuído ao artista Manuel Rodrigues Coelho, que realizou a capela-mor, os púlpitos e o medalhão do arco cruzeiro. Um bonito portão de ferro forjado emoldura a entrada do cemitério próximo à igreja.
Endereço: Praça Dr. Augusto das Chagas Viegas, s/nº – Centro. Telefone: (32)3371-7996

Museu Ferroviário - São João del-Rei MG


O Museu Ferroviário está localizado na Estação Ferroviária da Estrada de Ferro Oeste de Minas, local da onde partem os passeios realizados com maria fumaça para a cidade de Tiradentes. 
O museu foi inaugurado em 1981, ano em que a Estrada de Ferro completou cem anos. No seu acervo estão vários objetos antigos, como: balanças, relógios, telefones, registradoras, sinos, ferramentas, além da locomotiva EFOM nº1, que foi a primeira da ferrovia.
Endereço: Avenida Hermílio Alves, 366, São João Del Rei MG.
Tel. +55 (32) 3371-8485
Funcionamento:
Quarta a Sexta: - 9:00 às 11:00; e 13:00 às 16:00
Sábado: - 09:00 às 11:00; e de 14:00 às 16:00
Domingos: - 09:00 às 13:00
Para reservas entrar em contato pelo o e-mail
marlene.neves@vli-logistica.com.br


Cachoeira do Iporã - Passa Quatro MG


Administrado pelo Instituto Chico Mendes, a Floresta Nacional de Passa Quatro possui 332 he de matas nativas e exóticas, um pequeno museu, auditório e biblioteca especializada em ciências ambientais, além de fonte de água mineral, lago, a Cachoeira do Iporã e viveiros de mudas que são comercializadas. 

Acesso todo asfaltado. Não cobra taxa de entrada.
- Conhecida também por cachoeira do IBAMA.
- Localização: Estrada do Taboão – Bairro do Taboão
- Distância / Tempo: 2 km a partir do trevo da cidade
- Grau de dificuldade: fácil
- Tel: (35) 3371 2220
- Horário de Funcionamento: diariamente de 9:00 as 16:00

Igreja Matriz de Santo Antônio - Tiradentes MG


A Matriz de Santo Antônio de Tiradentes teve a sua construção iniciada em 1710, no lugar de uma pequena capela bandeirante, que foi a primeira Matriz da Comarca do Rio das Mortes. Em 1732 a Irmandade do Santíssimo Sacramento, em petição à Coroa Portuguesa, diz estar a igreja construída, faltando o forro e o assoalho. Na verdade, em 1733, o entalhador João Ferreira Sampaio trabalhava no altar-mor e em 1736/37 na obra de talha dos muros da capela-mor e arco-cruzeiro. Parece que em 1752 a igreja já estava concluída internamente, pois o pintor Antônio de Caldas, recebia, neste ano, 7.200 réis pelo douramento da igreja.
A igreja foi construída sobre uma colina e com grande aterro na parte fronteira, sua fachada, com duas torres bem desenhadas e frontão composto por duas largas volutas é ornamentada com rocalhas e encimadas por pináculos. No centro do acrotério existe uma cruz da cantaria, ladeada por dois globos flamejantes. Este frontispício foi construído em 1810/16, sob risco do Aleijadinho. O mestre da obra foi Cláudio Pereira Viana, que não só executou este serviço, como também a escadaria e balaustrada do adro, entre 1818 e 1820. Toda fachada foi executada em taipa, tijolos e argamassa, inclusive os ornatos rococó. O interior de igreja guarda seis altares laterais e o altar-mor. A talha da capela-mor é, sem dúvida, um dos melhores exemplares de talha barroca D. João V no Brasil e representa uma exceção no desenvolvimento da arte da talha em Minas Gerais, pela sua monumentalidade e pelo inusitado das formas. O primeiro altar à direita de quem entra é dedicado a Nossa Senhora do Terço.O segundo é dedicado a Nosso Senhor dos Passos. O terceiro dedicado a São Miguel Arcanjo. No primeiro altar do lado esquerdo existe uma imagem de Nossa Senhora da Piedade, com Cristo nos braços. . O segundo é dedicado ao descendimento do Senhor da Cruz. O terceiro dedicado à Imaculada Conceição. No ano de 1786 a Irmandade do Santíssimo Sacramento, fabriqueira da Matriz, encomendou um órgão novo em Portugal, para substituir um pequeno órgão existente no coro da Matriz. Manoel Jorge Ribeiro fez a encomenda a seu irmão Domingos Jorge Ribeiro, que vivia no Porto e este adquiriu de Simão Fernandes Coutinho, a parte mecânica de um órgão médio, que chegou em agosto de 1788. O entalhador Salvador de Oliveira foi contratado para desenhar a caixa do órgão e trabalhar na talha. A pintura e o douramento do órgão foram executados por Manoel Victor de Jesus em 1798. O forro da nave da igreja, de autor desconhecido, constituído por caixotões artesoados tem dezoito quadros com símbolos bíblicos cercados de folhagens e grotescos em outro. O assoalho da Matriz foi feito em óleo bálsamo em campas numeradas de 01 a 116. Nestas sepulturas estão enterradas pessoas de todas as classes sociais, desde nobres até escravos. No adro existe um relógio de sol feito em pedra sabão em 1785, por Leandro Gonçalves Chaves. Numa das torres existe um outro relógio comprado em Portugal no ano de 1788. É famosa a prataria da igreja, mormente as sete lâmpadas e os tocheiros do altar-mor. A lâmpada grande foi executada em 1740 no Rio de Janeiro e pesa 55 quilos e os tocheiros da banqueta também originários do Rio, datam de 1770/71.

Igreja de São João Evangelista - Tiradentes MG


Fica no Largo do Sol, próximo à estátua de Tiradentes. É datada de 1760 e abriga imagens de São João Evangelista, São Francisco de Assis e Nossa Senhora das Dores. Segundo contam na cidade, os inconfidentes se reuniam na casa paroquial, onde hoje é o Museu Padre Toledo, interligado à igreja por um túnel.

Trem turístico Tiradentes MG x São João Del Rei MG


A antiga Estrada de Ferro Oeste de Minas (EFOM) inaugurada em 1881 por D. Pedro II abre caminho entre o Cerrado e a Mata Atlântica para levar o turista a um belo passeio pelas serras do complexo de São José. Além das belezas naturais, o passeio também conta com grandes atrações turísticas e culturais como a Rotunda, o incrível giro da locomotiva e o Museu Ferroviário. São 12 km de travessia por uma belíssima diversidade ecológica e paisagens que ainda preservam a arquitetura do século XIX. Tudo isso a bordo da Maria-Fumaça, a mais antiga em operação no Brasil.

Tarifas - Inteira ida: R$ 60,00 | Inteira ida e volta: R$ 70,00
Meia ida: R$ 30,00 | Meia ida e volta: R$ 35,00 
Crianças de 0 à 5 anos não pagam.

Meia entrada (50%) para as seguintes categorias:
- Crianças de 6 à 12 anos;
- Estudantes mediantes apresentação da documentação de escolaridade e identidade ou similar;
- Pessoas acima de 60 anos apresentando documento de identidade ou similar.

Horário de bilheteria São João Del Rei
5ª a 6ª - 9:00 às 11:00 e 13:00 às 16:00
Sábado - 9:00 às 13:00 e 14:00 às 16:00
Domingo - 9:00 às 13:00

Horário de bilheteria Tiradentes
5ª - 9:00 às 11:00 e 13:00 às 16:00
6ª - 9:00 às 13:00 e 14:00 às 17:00
Sábado - 9:00 às 12:00 e 13:00 às 17:00 
 Domingo - 9:00 às 12:00 e 13:00 às 14:00

Igreja de Nossa Senhora do Rosário - Tiradentes MG



A Igreja de Nossa Senhora do Rosário é uma das mais antigas da cidade, com data de construção de 1708. Nossa Senhora do Rosário era adorada pelos escravos e eram justamente eles que frequentavam o local. O único branco a entrar na igreja era o padre, durante a realização das missas. O interior da igreja possui símbolos da religião católica e também das religiões africanas, principalmente do candomblé, fruto do contato com diversos credos vivenciados pelos escravos.

Santuário de Nossa Senhora do Carmo - Mariana MG


Teve sua construção iniciada em 1784. Destaca-se das outras igrejas da cidade pela fachada, com florões na portada e torres cilíndricas, o que lhe dá um ar soberano e a primazia na arte e no belo. Foi erguida pelos irmão da Ordem Terceira do Carmo. Em seu interior, os altares são em talha, no estilo Rococó. A capela-mor é coberta com abóbada de aresta. O altar-mor e o retábulo são de talha elegante, com arco semicircular centra apoiado em colunas e pilastras entalhadas. Em 20 de janeiro de 1999, um incêndio destruiu todos os elementos em madeira da nave principal. Várias imagens dos séculos XVII e XVIII e a pintura do teto foram também consumidas pelo fogo.

Igreja São Pedro dos Clérigos - Mariana MG


Exuberante pela sua localização, nela o visitante pode desfrutar de uma bela vista da cidade. O risco da igreja é de Antônio Pereira de Souza. É uma das três únicas igrejas barrocas de Minas com plano em redondo, característica revolucionária para a época. Seu principal construtor foi José Pereira Arouca. A construção é de 1752, mas a obra encontra-se inacabada. O altar-mor, talhado em cedro, e do teto do presbitério, provam que o templo seria majestoso se estivesse concluído. A torre da esquerda é original e de pedra e a da direita de tijolos, pois já caiu duas vezes. O telhado lembra um casco de tartaruga, enquanto o fundo um navio.

Catedral Nossa Senhora da Assunção (Sé) - Mariana MG


Um dos mais belos monumentos religiosos do Brasil Colonial e mais antiga Matriz da cidade. Sua construção foi iniciada em 1709 e concluída por volta de 1750. Foi trabalhada por dois grandes vultos da arte barroca: José Pereira Arouca e Manoel Francisco Lisboa, pai de Aleijadinho. No batistério há uma tela do pintor Atayde, com retábulos da primeira fase do barroco. Na pia batismal e no tapavento, que é o mais belo da região, nota-se a presença surpreendente de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. No altar-mor, a imagem de Nossa Senhora do Carmo, com o manto bordado a ouro, autenticamente português.
A catedral da Sé de Mariana guarda um precioso tesouro musical: um órgão construído na primeira década do século XVIII em Hamburgo, Alemanha, por Arp Schnitger (1648-1719), um dos maiores construtores de órgãos de todos os tempos. Enviado inicialmente a uma Igreja Franciscana em Portugal, o instrumento chegou ao Brasil em 1753, como presente da Coroa Portuguesa ao primeiro Bispo de Mariana. Faz parte do acervo da Arquidiocese de Mariana, tombado pelo Patrimônio Histórico, e é o único exemplar da manufatura Schnitger que se encontra fora da Europa.

Cachoeira Deus me Livre - Aiuruoca MG


A Cachoeira Deus me Livre também fica localizada a 5 km do centro de Aiuruoca e conta com três quedas d’água principais, terminando em uma bela piscina natural, muito boa para banho. a Estrada para a cachoeira à 500m da estalagem, depois mais 20 Min. de caminhada.

Cachoeira da Zilda - Carrancas MG

O Complexo da Zilda é um verdadeiro parque de diversões para os amantes do ecoturismo e dos esportes radicais. Cachoeiras, corredeiras, escorregadores, grutas, pinturas rupestres, enfim, um verdadeiro paraíso localizado cerca de 12 quilômetros de Carrancas, onde se encontram algumas nascentes do rio Capivari e onde foi gravada a novela “O Fim do Mundo”, levada ao ar pela Globo em 1996. Conta a história que o nome do local é referência a uma das mais belas jovens que existiu em Carrancas. A Cachoeira da Zilda se alcança através de algum esforço, recompensado imediatamente pela visão estonteante que se tem do alto das quedas – enxerga-se lá embaixo o poço perfeito para banho, ladeado por uma praia de areias brancas formadas pelas rochas de quartzito da região.

Capela de Nossa Senhora das Mercês - São Luiz do Paraitinga MG



A Capela das Mercês (estima-se que tenha sido inaugurada em 1814) foi destruída pelas águas da grande enchente que atingiu a cidade em janeiro de 2010. Foi reconstruída nos moldes originais e atualmente permanece aberta aos finais de semana para visitação.

Igreja Nossa Senhora do Rosário - São Luiz do Paraitinga MG

A Igreja Nossa Senhora do Rosário foi inaugurada em 1921. Quase 90 anos depois, em 2010, a cidade de São Luiz do Paraitinga foi castigada por fortes chuvas. O centro do município ficou submerso. Como a igreja está localizada no alto da cidade, teve menos danos, mas sofreu com infiltrações. O local ainda serviu como ponto de doações de alimentos e roupas a quem necessitava naquele momento.Em 2012 iniciou-se o restauro da igreja, que duraram 18 meses. Além de tratar as infiltrações, o piso tabuado de madeira maciça foi restaurado, as esquadrias de madeira, as pinturas decorativas murais, os vitrais, o piso em ladrilho hidráulico e a pintura interna e externa. Ainda foram instalados equipamentos de sonorização, gradis metálicos no perímetro externo e rampas para acessibilidade. O largo em frente à igreja também foi recuperado.

Cachoeira da Fumaça - Carrancas MG



Parada obrigatória para quem vem a Carrancas, o cartão postal de Carrancas fica pertinho da cidade, cerca de 3 quilômetros, e tem várias piscinas naturais ao seu redor. Parte de um complexo maior, que inclui ainda as cachoeiras do Fundo da Fumaça, Fumaça de Cima, Véu da Noiva e Luciano, a Fumaça encanta pela magnitude: sua queda principal tem mais de 15m de altura e sua largura a torna imponente. Seu nome vem da “fumaça” que se desprende de suas águas ao caírem forte nas pedras. Já teve papel importante no fornecimento de energia da cidade, era com a força de sua queda que a energia era gerada e assim podia ser distribuída na cidade e em alguns sítios e fazendas mais próximos. Devido a sua beleza ímpar recentemente a cachoeira da Fumaça serviu como cenário para as gravações da novela Alma Gêmea da Rede Globo. A Fumaça é a única cachoeira de Carrancas que fica em uma área pública, pertencente ao município.

Igreja de Nossa Senhora da Piedade - Ipiabas RJ


Em 1837, os fazendeiros Domingos Martins Moreira e João Correia Porto, fizeram através de escritura publica doação de um lote de cinco braças de terras, cada um, nas margens do ribeirão das Ipiabas, para edificação de uma capela em louvor a Nossa Senhora da Piedade Pouco se sabe sobre a construção desta primitiva Igreja. A referência mais conhecida é a de uma subscrição promovida em 1850, por fazendeiros da localidade com objetivo de angariar fundos para a edificação do templo. Entre os mais importantes podemos citar Ana Rita de Faro (futura baronesa de Rio Bonito), João Pereira Darrigue de Faro (futuro visconde de Rio Bonito) e Angélica Joaquina Vergueiro de Faro, dentre outros. Recente pesquisa nos permite inferir que a primitiva capela/igreja foi substituída por outra, construída muito distante do local da primeira, ou seja, mais setentrional, próximo às margens do rio das Flores, em terras cedidas pelo Comendador José Gonçalves de Moraes, senhor de todas as terras do Povoado. A segunda Igreja (atual) foi construída pelo comendador José Gonçalves de Moraes (senhor da Fazenda Ibitita), através de contrato com a Presidência da Província, celebrado em 31 de dezembro de 1870. Inicialmente as obras consumiram a quantia de 23:067#123 mil réis, sendo sua obra concluída em 1871. 

Casarão da Remonta - Ipiabas RJ


Um dos pontos obscuros da história de Ipiabas refere-se à exata origem da construção conhecida como remonta. Sabe-se, ao certo, que foi erigido em 1874, porém, ignora-se quem o mandou construir e com que propósito. Sua finalidade posterior está dividida entre várias hipóteses. Uma delas – e a mais provável – é que teria sido uma parada de tropeiros que, pela estrada Presidente Pedreira, faziam o transporte de café. Um dos seus antigos donos cedeu o imóvel ao Governo Imperial, tendo sido, ali, instalado, um Posto de Fiscalização de mercadorias procedentes de Minas e Goiás, com destino ao Rio. Com o advento da República, em 1889, o imóvel teria sido confiscado, face ao não pagamento de impostos por antigos proprietários. Mais adiante, foi doado pelo Dr. Vitório da Costa ao Exército que, instalou uma remonta, através do Ofício nº 137, em 4 de fevereiro de 1930, conforme Boletim daquele órgão, de nº 579/ 1930 e que transformara o antigo imóvel em uma parada para repouso de tropas – daí o nome “Depósito de Remonta”. Um de seus comandantes foi o Coronel Plínio Freire de Moraes que fundara o Tiro de Guerra Duque de Caxias, de Barra do Piraí, em 1909. Pelo aviso de nº 898, passou a ser Depósito de Reprodutores de São Paulo, a partir de 20 de dezembro de 1938. Anos mais tarde, o cidadão Simão Dain adquiria o imóvel, tendo, algum tempo depois, doado para a Mitra Diocesana que o vendeu para o Dr. Hugo Cunha Carvalho. A partir de 9 de dezembro de 1970, passou a ser propriedade do cidadão Antônio Carlos Rodrigues Moreira, que o negociou com o atual proprietário Edézio Quintal de Oliveira, em 19 de dezembro de 2000.

(Informações baseadas em relato de Antônio Carlos Rodrigues Moreira e em pesquisa de Sérgio Ferreira de Albuquerque, no Arquivo do Exército, Ministério da Defesa – RJ)

Igreja Matriz de São Luís de Tolosa - São Luiz do Paraitinga SP


Datada de 1839, a Igreja Matriz de São Luís de Tolosa foi erguida com recursos provenientes de abastadas famílias da localidade. Originalmente possuía apenas uma torre, quando em 1872 foi construída a segunda. Em 2010 a igreja foi totalmente destruída por uma enchente que devastou o centro da cidade. Tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat), a igreja foi reconstruída com recursos do governo estadual, por meio de parceria entre a Secretaria da Cultura e a Mitra Diocesana de Taubaté, com investimento de R$ 17 milhões. A igreja foi reinaugurada em 16 de maio de 2014. 

Casa Dr. Oswaldo Cruz - São Luiz do Paraitinga SP


O ajudante Joaquim José Ferreira construiu sua residência em 1834, na área rural, incorporada mais tarde a área urbana. Posteriormente o imóvel foi adquirido pelo médico Bento Gonçalves Cruz, pai do conceituado médico sanitarista Oswaldo Cruz, que nasceu nesta casa no dia 5 de agosto de 1872. Em 1938 o governo do Estado de São Paulo, proprietário do imóvel, instalou no local uma escola e centro de saúde e, desde 1972, abriga o Museu Oswaldo Cruz. Construção térrea com porão baixo, é uma das mais antigas casa da cidade, em taipa de pilão e paredes internas em pau a pique. Rua Oswaldo Cruz, nº 4. 

Igreja Matriz de São Lourenço MG



A pedra fundamental da Igreja Matriz de São Lourenço foi lançada em 17 de março de 1935. A população de São Lourenço solicitava uma Igreja maior que a Ermida do Bom Jesus do Monte. A Diocese de Campanha mandou para São Lourenço uma planta de uma Igreja, que foi rejeitada pela população que queria algo muito maior. Depois de muitas discussões chegou–se a uma planta semelhante a atual aparência. As diferenças básicas são: nela havia duas torres, e sua frente era do lado esquerdo. Onde hoje é a casa paroquial. O aterro para sua construção foi feito com jato de água, e a tropa de burros e carroças do João Laranja.

www.paroquiasaolourencomartir.com.br

Hotel Bela Vista - Volta Redonda RJ


O Hotel Bela Vista está localizado próximo ao centro comercial da cidade. Projetado pelo arquiteto Wladimir Bernardes, teve sua obra iniciada em 1941 pela Companhia Siderúrgica Nacional para atender seus fornecedores, funcionários e clientes. São 28.000m² com uma vegetação exuberante, espécimes de pássaros da região e uma vista total da cidade, esta bela construção é um grande marco arquitetônico para a cidade de Volta Redonda. Tombado pela Lei Municipal nº 3.369 de 06/10/1997.
Rua 19 A, 635 - Bela Vista - Volta Redonda/RJ
Tel. (24) 3344-1900

www.hotelescolabelavista.org.br/pt/home


Hotel em construção

Fazenda da Floresta - Barra do Piraí RJ

 Em um mapa de 1816, a sesmaria da Floresta é assinalada como propriedade de Luís Nicolau Fagundes Varela. Tempos depois, ainda na primeira metade do século XIX, foi adquirida por Joaquim José Pereira de Faro, filho do primeiro barão do Rio Bonito. Tudo leva a crer que foi Joaquim quem edificou a sede e as demais instalações da Fazenda da Floresta, e lá teria vivido com a família até sua morte, em 1845. No final do século XIX, a Fazenda da Floresta foi vendida ao coronel Cristiano Joaquim da Rocha. Em 1883, a fazenda foi adquirida pelos sócios João José Pereira da Silva e Dr. Emídio Adolfo Vitório da Costa, através da sociedade agrícola “Pereira da Silva & Victorio”. Durante o período que pertenceu a esta sociedade, a Fazenda experimentou algumas iniciativas inovadoras e bastante adiantadas para a época, tais como a ligação através de linha telefônica à estação ferroviária de Ipiabas e a substituição do trabalho escravo pela mão de obra livre. Além das instalações necessárias ao funcionamento a fazenda possuía carros sobre trilhos puxado por máquina a vapor para transportar o café até aos terreiros de secagem de café. Na década de 1920, a fazenda foi adquirida por Oswaldo Guinle que a vendeu, tempos depois, a Manoel Pinto, que por sua vez a passou ao Dr. Luís Novaes, quinto filho do barão de Novaes, casado com Francisca de Paula Parreiras Horta, neta do visconde de Ouro Preto. Por herança, a fazenda chegou às mãos de sua filha, atual proprietária. A fazenda situa-se no distrito de Ipiabas.  


Fazenda São Paulo - Valença RJ


A sede da fazenda São Paulo foi construída na primeira metade do século XIX, caracteriza-se pela imponência e originalidade de suas janelas e portas em estilo neogótico, voltadas para o imenso terreiro de secar café, um dos quais se encontra, hoje, gramado. A área íntima da casa, no segundo pavimento, compreende vários quartos, salas, alcovas e uma capela, sendo esta última dedicada a São Paulo. Há também um pequeno pátio interno quadrado com uma fonte ao centro. Em 1870, a fazenda contava com um cafezal de 550 mil pés, 400 alqueires de feijão e 300 de arroz, além de dispor de 176 escravos. A unidade de produção de café era composta de diversas edificações, entre elas: senzalas, tulha, enfermaria para escravos, engenho para socar café e engenhos de cana e de farinha de mandioca, além de moinhos, alambiques, estrebaria e paióis. Em 1915, depois de enfrentar os percalços decorrentes da abolição da escravatura, os herdeiros resolvem vender a fazenda para o empresário Manoel Joaquim Cardoso, que se tornou um dos maiores produtores de café e proprietário de várias fazendas vizinhas. Hoje, a propriedade pertence a uma empresa, cujos administradores vêm recuperando todo o conjunto arquitetônico remanescente do período cafeeiro.

Localização
Estrada VL55, 6º distrito, Conservatória

Fazenda São Pedro do Rochedo - Valença RJ


Edificada em meados do século XIX pelo comendador Carlos José da Silva, a São Pedro do Rochedo possuía 506 alqueires geométricos e, junto com outros bens, totalizavam um monte-mor líquido de 652 contos de réis, quantia considerável que foi legada aos seus sete filhos em 1873. Quase dez anos depois, a propriedade era administrada pelo então major José Cesário da Costa. Em 1930, embora com área já reduzida para 350 alqueires, a fazenda ainda continuava sendo propriedade de porte, sendo a quarta entre as doze principais fazendas de Conservatória e também uma das três maiores produtoras de café. Das antigas construções de serviço da fazenda cafeeira, só restaram parte de um dos terreiros de café, calçado de pedra, que ficava pela frente da casa, e alguns trechos de antigas construções formando ângulo com a casa de moradia. A casa em formato de um “L” é simples, toda com estrutura de madeira e tapamentos de pau-a-pique, a não ser o alto paredão de pedra dos fundos do porão que corre toda a sua extensão. Este paredão, que é o arrimo do recorte do terreno, possui prolongamentos pelas duas laterais da casa e suportam os dois pátios lá existentes.

Localização
Rodovia RJ-137 (trecho: Conservatória - Santa Isabel do Rio Preto)

Zoológico Municipal de Volta Redonda RJ



Adquirida pela prefeitura durante a década de 70, a área que abriga o zoológico foi utilizada inicialmente como horto florestal, somente em 1981 foi transformada em Zoológico. Hoje, fazem parte do plantel 377 animais: 218 aves, 65 mamíferos e 94 répteis. Esses animais pertencem a 105 espécies: 70 espécies de aves, 23 espécies de mamíferos e 15 espécies de répteis, estando incluídos entre estes algumas espécies ameaçadas de extinção como a onça-pintada, onça-parda, urubu-rei, e o macaco-aranha. 
Localiza-se na Rua 93 C, nº. 1171 - Vila Santa Cecília - Volta Redonda - RJ 
Tel: (24) 3350-7061
www.portalvr.com/zoo/

Santana do Capivari MG



Santana do Capivari é um distrito do município de Pouso Alto no estado de Minas Gerais. O distrito fica próximo à divisa com os estados do Rio de Janeiro e de São Paulo, na Serra da Mantiqueira. Capivari é a palavra de origem tupi Kaapi+wara+ii e significa rio das capivaras. Por oferecer roteiro necessário aos bandeirantes e mineradores, foi ali estabelecido um Registro Fiscal, que funcionou por muitos anos. Tinha por finalidade amparar os direitos régios e impedir a entrada de criminosos e audaciosos. Com a vinda de outros mineradores e posseiros, desenvolveu-se uma pequena população que obteve licença para a edificação de uma Igreja dedicada à Sant’Ana. A criação da Paróquia é de 3 de abril de 1839.

Fazenda São Luiz da Boa Sorte - Vassouras RJ


Datada de 1835, a Fazenda São Luiz da Boa Sorte é fruto da união de duas importantes fazendas do ciclo áureo do café, a São Luiz e a Boa Sorte, propriedades dos irmãos Gomes Ribeiro de Avelar. Depois de restauração minuciosa realizada nos anos 2000 pelos arquitetos João Reis e Gilmar Peres, a fazenda hoje investe no turismo rural. Oferece visitas guiadas aos seus aposentos decorados com uma coleção de móveis dos séculos 18 e 19.


Endereço: Rodovia Lúcio Meira (BR 393), km 210 
Telefone: (21) 99250-9798 / (24) 99298-7204

Estação Ferroviária de Mariana MG


Inaugurada no dia 12 de outubro de 1914 para possibilitar a ligação entre as cidades de Ouro Preto e Rio de Janeiro, que na época era a capital federal, a Estação Ferroviária de Mariana funcionou até a década de 1980. Em 2003, a Vale recuperou a linha férrea e as edificações para implementar o Programa de Educação Patrimonial Trem da Vale, voltado à preservação da memória e da história de Ouro Preto e Mariana. Desde 2006, a estação faz parte do trajeto do trem turístico que liga as duas cidades.

Estação Ferroviária de Ouro Preto MG



A estação foi inaugurada por D. Pedro II em 1º de janeiro de 1888, quando Ouro Preto ainda era a capital da Província de Minas Gerais. Restaurada em 2006, abriga hoje um complexo cultural composto pelo vagão biblioteca, vagão café, tenda cultural, vagão sonoro, sala de memórias, sala da maquete, e espaço para exposições.

Cachoeira do Salto - Barra Mansa RJ

 Localiza-se no distrito de Floriano, distante 6km do centro.
 As águas do rio do salto proporciona uma quede de mais de 12mts.


Igreja de São Francisco de Assis - Mariana MG


Sua construção foi iniciada em 1763 e concluída em 1794, A pintura esteve a cargo de vários artistas, destacando-se entre eles Manoel da Costa Athayde. O interior da igreja, em talha, e os retábulos, púlpitos e douramentos dos altares valorizam o conjunto. O medalhão da portada, em pedra sabão, é atribuído ao Aleijadinho. Nessa exuberante igreja está sepultado o Mestre e Pintor Manoel da Costa Athayde, na tampa número 94. Os lustres do século XVIII são de cristal da Boêmia. A pintura no centro do teto estampa o dilúvio e a arca de Noé e as do lado se referem aos quatro Papas que colaboraram com a Ordem Terceira de São Francisco de Assis.

Igreja Matriz de Nossa Senhora do Montserrat - Baependi MG


Construção de 1754, é uma mistura de diversos estilos arquitetônicos como o barroco (trabalho em talha do transepto da nave central), o Luiz XV (altar-mór), o rococó (altares laterais) e o neo-clássico. Os trabalho de entalhe do retábulo do altar mor, assim como outros melhoramentos foram executados no paroquiato de Domingos Rodriguez Affonso (1795 a 1832). Nessa mesma época, os artistas Natividade, encanador, dourador e pintor de São João Dei Rei, e o entalhador de Suassui, Macedo, executaram trabalhos no interior. Em 1848 houve novas modificações na Igreja Matriz, durante o paroquiato do Padre Custódio de Oliveira Monte Raso que transformou a antiga sacristia na Capela do Santíssimo Sacramento, dotando-o de estilo rococó. Em 1855 o Padre Marcos reiniciou as obras com a pedra da galeria e torre, lado epístola. Na fachada foi feita: a soleira da porta principal, a pedra da coluna do peristilo, lado epístola, o medalhão em mármore branco, cujo esculpido representa a Maternidade. Depois vieram o frontispício, duas estátuas igualmente de mármore branco de São José e a de São João Evangelista. O altar-mor foi dourado no paroquiato do Cônego Joaquim Gomes Carmo, em 1862. Essa obra foi possível graças à doação recebida da Beata Francisca de Paula de Jesus, “Nhá Chica". Em 1870, assume a paróquia Marcos Pereira Gomes Nogueira. De grande talento, realiza obras arquitetônicas e decorativas na Igreja Matriz. Foi sendo edificada e decorada paulatinamente ao longo dos anos, absorvendo as transformações da concepção estética e arquitetônica dominante da época. Monsenhor Marcos, exímio escultor, acrescentou no transepto dois retábulos, portadas e o forro em abóbada circular. Dos trabalhos realizados pelo Monsenhor esse representa o de maior envergadura e originalidade, tendo conhecimento das técnicas de entalhe, ao gosto neoclássico, com motivos fitomorfos, buscando na flora local a inspiração para a escolha dos motivos: folhas de acá, bananeira, unha-de-boi, cachos de uvas, de gravatás, folhas de fumo, enfatiza a auto-afirmação das riquezas regionais. Esta característica confere à Igreja Matriz de Baependi, um estilo “sui generis” que a fazem única no gênero em todo o Brasil, conservando intacta a genial concepção de arte genuinamente brasileira. A conclusão de seu projeto arquitetônico- o forro da nave, os confessionários e algumas pinturas trabalhos foram executados durante a vigência do paroquiato do vigário Cuniberto Maria Hantz (19I3-19I7). O atual telhão (1923) foi construído no paroquiato do vigário Henrique Ambrósio Mayer (1926-1939).0 piso da sacristia (ladrilhamento hidráulico) e as torres foram incorporadas em 1924 a pedido da comunidade que queria ver concluído o projeto original de Monsenhor Marcos. Foi tombada em 1998 pelo Patrimônio Histórico e Artístico.

Cachoeira São Fernando - Valença RJ


Localizada em terras da fazenda São Fernando, na estrada Coronel Cardoso, em Conservatória, distrito de Valença, a cachoeira possui uma queda de 18 m de altura que deságua em uma grande piscina natural.

Fazenda Rochinha - Barra Mansa RJ


Uma das fazendas mais antigas da região, fontes registram sua construção por volta de 1717. A fazenda Cachoeira, seu nome primitivo, dedicou-se inicialmente ao plantio da cana para a produção de açúcar e aguardente. Com a chegada avassaladora do café na região, Cachoeira aderiu à nova cultura que ocupou o Vale do Paraíba por todo o Brasil Império constituindo-se no principal produto da economia brasileira no período. Em 1878 o proprietário da fazenda, Antônio José Lomba de Abreu, doou grande parte de suas terras para a construção de ruas, casas, prédios públicos, praças, cemitério, igreja e a estação ferroviária de Floriano, contribuindo para o desenvolvimento do povoado, depois distrito de Barra Mansa. Em 1904 a propriedade foi vendida por 30 contos de réis por dona Genoveva Hummil Jardim a Vicente Miglioli e depois, por herança, passou a Antônio Fontes Rocha, de quem Miglioli era padrasto. Posteriormente, a fazenda, que até hoje permanece na família, passou às duas filhas de Antônio, Ângela Maria Rocha Silva e Anna Lucia Gilly Rocha. Antônio Fontes Rocha, conhecido por Rochinha, daí o nome atual da fazenda, retornou ao cultivo da cana de açúcar para a produção da cachaça artesanal “Rochinha”, que pela sua excelente qualidade recebeu prêmios no Brasil e no exterior. Ilustrando e enfatizando o nome original da fazenda, até hoje é a água que girando a enorme e antiga roda d’água metálica produz a força que faz a moagem da cana para a obtenção do caldo para produzir a cachaça. A fazenda explora também a pecuária de leite e de corte, a piscicultura e subsidiariamente produz doce e outros produtos típicos da roça.
Localiza-se no distrito de Floriano.
www.rochinha.com.br

Igreja de Nossa Senhora do Rosário - São João del-Rei MG



Considerada a mais antiga da cidade, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário teve sua construção iniciada em 1719 pela Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos. No ano de 1753 passou a apresentar o atual pórtico com elementos decorativos e a elegante porta almofadada. Em 1936 a fachada foi adaptada para abrigar as duas torres. O interior é bastante simples. No altar-mor, há uma bonita imagem de Nossa Senhora do Rosário.

Endereço: Praça Embaixador Gastão da Cunha, s/nº – Centro.
Telefone: (32)3371-1785

Hotel Valenciano - Valença RJ

Construído em 1917, o hotel possui instalações modernas, mas ainda é possível apreciar o bar e a barbearia que preservam alguns detalhes da época da construção. Único do gênero na região é um marco da cidade. A um quarteirão da Rodoviária Princesa da Serra e a poucos quarteirões do comércio principal e das atrações do centro da cidade. Além de estar a uns 30 minutos das fazendas históricas, cachoeiras e de Conservatória.
Localização: Praça Doutor Paulo de Frontin, nº360 - Tel. (24) 2453-4890
Site: http://www.hotelvalenciano.com.br/ 

Cachoeira dos Garcias - Aiuruoca MG




Com cerca de 30 m de queda livre de água cristalina, a Cachoeira dos Garcias é formada pela junção de dois ribeirões: um que nasce no Retiro dos Pedros e outro que nasce no Alto do Cidinho. A partir da cachoeira forma-se o Ribeirão do Papagaio que vai desaguar no Rio Aiuruoca. Onde cai a cachoeira, forma-se um tanque arredondado de 10m de diâmetro, próprio para banho e mergulho, apenas para pessoas experientes, já que a profundidade pode chegar a 5m. Localiza-se a 17 km do centro da cidade.

Fazenda do Secretário - Vassouras RJ

 

Localizada no município de Vassouras, a Fazenda do Secretário chegou a possuir 500.000 pés de café e 366 escravos. Parte da sua tulha, localizada do lado direito da casa, ainda permanece. Ali se situavam 51 lances de senzalas, 5 enfermarias e dez casas para empregados. Em frente a casa e ao lado da tulha, um relógio francês instalado em uma bela torre marcava as horas. Restaurada e mobiliada ao estilo da época, o solar foi construído em meados do século XIX (1830) por Laureano Corrêa e Castro, o Barão de Campo Belo. Em seu interior há uma escadaria importada da Europa em madeira de lei, capela, salão de baile e salas de jantar com pinturas do catalão José Maria Villaronga. Os jardins, com sua extraordinária beleza e dimensão, possuem estátuas em ferro fundido da famosa fundição Barbezat & Co, localizada no Vale d’Osne. 
A fazenda é liberada à visitação de grupos com agendamento prévio. 
Fazenda do Secretário - (24) 2488-0150


Existem duas versões para a origem do nome "Fazenda do Secretário": uma delas atribui o nome ao seu fundador, José Ferreira da Fonte, que foi secretário de diversos governadores da província; a outra explica que o nome foi tomado do ribeirão chamado Secretário que nasce de vertentes próximas e banha a fazenda.

Estação Ferroviária - São Vicente de Minas MG


A estação de São Vicente foi aberta em 1912 pela Estrada de Ferro Oeste de Minas. Nos anos 1940 chegou a chamar Francisco Salles, tendo o nome finalmente revisto para São Vicente de Minas nos anos de 1950. Em 2012, ano do seu centenário, a estação foi completamente reformada e entregue a população. 

Fazenda Feliz Remanso - Barra do Piraí RJ


Lucas Antônio Monteiro de Barros e Cecília Gonçalves de Moraes casaram-se em 1834, ele, filho do visconde de Congonhas do Campo, ela, filha dos barões de Piraí. Através de dote de casamento, Lucas recebeu do sogro uma sesmaria de meia-légua em quadra localizada às margens do Rio Paraíba do Sul, onde fundaram a importante Fazenda Três Poços. Com o tempo, devido ao grande desenvolvimento da lavoura cafeeira, Lucas criou em suas terras mais duas unidades de produção de café, as fazendas do Brandão e Volta Redonda. Por volta de 1845, adquiriu, em leilão em praça pública, a Fazenda Feliz Remanso, do espólio do falecido José Tomás da Silva, conforme declarou em 1856, quando a registrou no censo de terras de 1850. Inicialmente, Feliz Remanso, funcionava como fazenda “satélite” ou “de trabalho”, como alguns especialistas preferem denominar, ligada à fazenda principal, Três Poços. Por ocasião da morte do comendador Lucas Antônio Monteiro de Barros, ocorrida em 10 de março de 1862, a Fazenda Feliz Remanso foi herdada pelos dois filhos do casal, Maria Rita e Lucas Antônio. Este adquiriu a parte da irmã e tornou-se o único proprietário. A fazenda atravessou o século XX em poder dos Monteiro de Barros, sendo uma das poucas fazendas históricas existentes no Vale do Paraíba Fluminense que permaneceu nas mãos da mesma família desde a sua fundação, na primeira metade do século XIX.
Não está aberta à visitação.

Fazenda São Bento - Santa Rita de Jacutinga MG

A Fazenda São Bento é uma das mais belas da região, é a que se encontra mais bem conservada. Construída em 1854, o terreno onde se localiza a propriedade foi presente do Comendador Francisco Tereziano Fortes ao Sr. Tomé Dias dos Santos Brandão em agradecimento pelo bons serviços prestados em seus negócios. O que mais se destaca na história do Casarão e da Família Brandão é a maneira com que a propriedade é administrada pelos herdeiros. A herança do Sr. Tomé Dias dos Santos Brandão é ainda hoje gerida por seus descendentes, num exemplo de comprometimento e harmonia de maneira que a família e o patrimônio permaneceram juntos aos passar dos longos anos de existência da fazenda. A natureza foi muito generosa com a Família Brandão, as terras que cercam a fazenda são de uma beleza exuberante. Além de sua bela Sede, a fazenda possui trilhas para conhecer a Cachoeira São Bento (foto), Cachoeira Arco-íris e se ainda houver pique, encarar as trilhas das 4 quedas, que se encerra na Cachoeira do Tronco. Além dessas trilhas, pode-se fazer um passeio mais curto ao pé da cachoeira São Bento e à Gruta. O Vale das Borboletas é um paraíso, um espetáculo de beleza rara, onde em determinadas épocas do ano, passamos por trilhas com centenas, quiçá milhares de borboletas coloridas.

Entre em contato e faça a sua reserva. Este passeio pode ser feito em qualquer dia da semana.
Guia: Gil Cunha - (32) 32911110 / Whatsapp 3284665897